2 setembro

Festival No Ar Coquetel Molotov se aproxima ainda mais da música eletrônica e confirma Gui Boratto

Festival No Ar Coquetel Molotov se aproxima ainda mais da música eletrônica e confirma Gui Boratto

DJ Gui Boratto

Há 16 anos no Recife (PE), o No Ar Coquetel Molotov é, indiscutivelmente, um festival que adora lançar tendências ao se jogar em diferentes caminhos e por sempre apostar em novos nomes da música emergente, enquanto também celebra artistas clássicos. Nesse cenário, pode-se afirmar, que a música eletrônica tem crescido cada vez mais. Em 2017, Recife recebeu a festa paulista Mamba Negra no palco do festival e ano passado foi a vez da Selvagem sair de São Paulo e ir até a capital pernambucana. Para este ano, dia 16 de novembro, além da festa GopTun, que vai encerrar um dos palcos, o evento terá o reverenciado ícone da música eletrônica, Gui Boratto.

 

 

Com o disco Pentagram lançado em 2018, quase dez anos depois de Take My Breath Away, e um EP deste ano chamado Human, Gui Boratto sobe aos palcos do festival logo depois de uma breve apresentação de Coppola, aposta do selo DOC Records, que pertence a Gui. “Fazer um warm up pro Gui é como tocar em casa, um ambiente totalmente livre para explorar novas músicas e pegadas diferentes na pista! Além de trabalharmos juntos, tem o lance da amizade entre a gente, o que facilita muito as coisas”, afirma Coppola.

 

 

A produção do No Ar conta que está bem ansiosa para essa apresentação. É a primeira vez que a música eletrônica ocupa um espaço de grande destaque no festival em Recife: “Já tivemos performances memoráveis, como da Milena Cinismo, do Batekoo Rec, NoPorn, Teto Preto, além de Iury Andrew e Ana Gizele, que ano passado abriram o show de Azealia Banks. Sem contar as festas que já recebemos, como Mamba Negra e Selvagem. Mas agora com Gui Boratto vai ser bem diferente. Acho que ele vai tocar para um público completamente novo, que não tem o costume de ir nas festas de música eletrônica da cidade”, aponta Ana Garcia, idealizadora do evento. “Vale ressaltar que a cena underground tem crescido muito em todo Brasil e naturalmente no Recife. Temos diversas festas como a Hypnoss, Reverse, Batekoo, além de DJs que têm fomentado a cena como Libra, Pedro Renor, Iury Andrew, Milena Cinismo e outros”, continua a produtora.

 

 

Ana Garcia ainda lembra de como conheceu Gui Boratto: “Sou fã dele desde 2007! Lembro que quando ele lançou Chromophobia fui convidada pela inglesa Plan B (revista do icônico jornalista Everett True) para entrevistá-lo. Vi Gui crescendo de longe e sempre pareceu uma figura impossível de trazer para o No Ar, apesar dele sempre dialogar com festivais, tocando, inclusive, no Primavera Sound. Mas aí o time dele entendeu o nosso propósito e será marcante encerrar o festival com um nome tão grande”.

 

 

NO AR

 

Com uma atuação cada vez mais engajada com acessibilidade e um compromisso selado com a sustentabilidade ambiental, o festival No Ar Coquetel Molotov teve ingressos esgotados nos dois últimos anos atraindo oito mil pessoas no Caxangá Golf Club em cada edição. O No Ar tornou-se mais que uma imensa festa para os apreciadores de música e diversão e virou um espaço onde a diversidade é respeitada e incentivada. Um festival de resistência que preza pelo respeito e fortalece suas ativações com importantes parcerias, sendo o único que tem a Women Friendly – Empresa Amiga da Mulher como parceira.

 

 

Para 2019, até agora o line up conta com Liniker & os Caramelows, Black Alien, MC Tha, a iraniana Sevdaliza, Rosa Neon e Dri

Selecta Club no Instagram