Baile Vermelho e Branco traz o axé de Luiz Caldas em 2018

Baile Vermelho e Branco traz o axé de Luiz Caldas em 2018
Luiz Caldas [Foto: Reprodução]

O centenário Clube Cabo Branco, em João Pessoa, já está respirando os ares da folia momesca. No próximo dia 27 de janeiro, o clube novamente abre suas portas para promover o mais tradicional baile pré-carnavalesco da Paraíba, o Vermelho e Branco. Em 2018, a festa novamente aposta na mistura de ritmos, tendo como destaque todo o suingue do baiano Luiz Caldas.

 

Ponto de encontro da sociedade paraibana na contagem regressiva para o Carnaval, o Baile Vermelho e Branco faz parte da história da cidade. Ele surgiu em 1953, quando a sede do clube ainda funcionava no bairro de Jaguaribe. Naquela época, uma reforma estatuária rendeu à agremiação um novo hino e as cores vermelho e branco como marca, o que motivou a criação do evento. A festa, então, passou a ser promovida anualmente.

 

Por se tratar de um baile familiar, uma programação especial foi pensada para agitar os foliões das mais diversas faixas etárias na edição do Vermelho e Branco 2018. A começar por Luiz Caldas, que vem para fazer todo mundo se jogar com seu axé.

 

Ele teve contato com a música ainda criança, fazendo sua primeira apresentação aos sete anos. E não parou mais. Ganhou destaque em Salvador, capital baiana, comandando shows no Circo Troca de Segredos e em agremiações carnavalescas. Até que estourou para todo o Brasil com o disco Magia, que o rendeu o título popular de “pai da Axé Music”. Ao longo de sua carreira, ele lançou mais de 130 músicas, incluindo “Fricote” (“Nega do cabelo duro”), que se tornou hit nas rádios brasileiras e marcou gerações.

 

MAIS ATRAÇÕES

Além do axé, no Vermelho e Branco vai rolar muito frevo e marchinha, com a Orquestra DBaile. O grupo de samba e pagode SPD, sucesso em toda a Paraíba no final da década de 90 e início dos anos 2000, estará presente para um show excepcional, relembrando canções consagradas de bandas como É O Tchan, Terra Samba e Harmonia do Samba. Tem ainda a escola Malandros do Morro, levando muito samba-enredo.